quarta-feira, 17 de abril de 2024

Professor sete-lagoano é premiado na 7ª Edição do Prêmio Metodologias de Ensino Inovadoras

Professor Giezi e o filho Lucas com parte de suas premiações no mundo da educação e ensino
Professor Giezi e o filho Lucas com parte de suas premiações no mundo da educação e ensino

O professor Giezi Américo Reginaldo, 50 anos, há algum tempo faz a diferença em Sete Lagoas e coleciona prêmios pelo trabalho desenvolvido com os estudantes e também por ele próprio.

Na última semana ele foi premiado na 7ª Edição do Prêmio MEI – Metodologias de Ensino Inovadoras, promovido pela Coordenação do curso de Pós-Graduação em Docência do IFMG Arcos 

Conheça a iniciativa inscrita pelo professor:  

Vencedor: Giezi Américo Reginaldo

Nome do projeto: Metodologias ativas de ensino-aprendizagem sobre o consumo consciente de energia

Escola: Escola Estadual Renato Azeredo – Sete Lagoas/MG

Conheça mais sobre o professor, em entrevista ao Jornal Sete Dias:

O mais sete-lagoano dos cariocas que faz a diferença na arte de ensinar

Celso Martinelli

O professor Giezi Américo Reginaldo, 50 anos é pai do estudante Lucas dos Santos Reginaldo, aluno da E. E. Professor Rousset, em Sete Lagoas. Ele é filho de Ater Américo Reginaldo (Manhumirin –MG) e Joana Rocha Reginaldo (Rio de Janediro – RJ). De Família simples e humilde do Rio de Janeiro, tem nove irmãos que foram criados no sistema patriarcal, onde o pai eletricista cuidava do sustento e a mãe da educação e da casa.  Altamente conceituado, viajou o mundo graças à educação e é uma inspiração para seus alunos. Conheça essa figura que faz a diferença em Sete Lagoas e coleciona prêmios pelo trabalho desenvolvido com os estudantes e também próprios.

Onde nasceu e quais suas principais lembranças de infância/juventude?
Nascido no Rio de Janeiro, capital. Carioca da gema mas sete-lagoano de coração. Minhas melhores lembranças da infância: brincar de carrinho de rolimã, correr descalço na rua tipo pique e brincar de rouba bandeirinha em frente à casa de meus pais.  Já as minhas melhores lembranças da juventude são da época da faculdade (Universidade Católica de Petrópolis – RJ).  Iniciei o curso de engenharia com 18 anos. Meus pais não tinham como custear minhas despesas. Fiz de tudo um pouco. Cantei no coral da universidade em troca de bolsas de estudos, trabalhei como feirante vendendo salgadinhos. Se por um lado, foi uma fase difícil, também um período que mais me proporcionou amadurecimento. Hoje, eu olho com orgulho por tudo que passei.

Quando foi seu encontro com Sete Lagoas e por quê?
No início dos anos 2000 fui convidado por um amigo de meu pai a tentar um emprego na Formin Forjas. Fiquei por um breve período. Lembro que na época o governo aumentou o IPI e comprometeu a linha de produção, gerando redução no quadro de funcionários. Retornei ao Rio de Janeiro para trabalhar na área de petróleo, mas sempre tive encantamento por Sete Lagoas e com a certeza de um dia retornar.

Qual a sua profissão, o que motivou a escolhê-la e qual sua trajetória profissional?
Hoje, dedico exclusivamente à docência. Inicialmente, eu conseguia conciliar demais atividade com a docência. Mas houve uma hora que tive que optar pela sala de aula. Cheguei cheio de sonhos e ilusões. Muitas frustações no início por não conseguir colocar em prática meus sonhos. Lembro que nessa fase, conheci o professor de física, o Dr. Paulo Menezes, hoje na Universidade Federal de Juiz de Fora, quando era meu orientador na Universidade de Minas Gerais na pós-graduação. Ele me deu várias dicas importantes que nortearam a minha trajetória acadêmica e refletiu na minha experiência na sala de aula. Comecei a trabalhar com projetos (metodologias ativas de projetos). Resultado: vários prêmios nas mostras científicas da UFMG (UFMG JOVEM, Mostra de Química, FEBRAT), FEBRACE (Feira Brasileira de Ciências e Engenharia – USP-SP). Em consequência dessas premiações fomos credenciados a eventos internacionais na Rússia e Portugal, mas, por questões financeiras, podemos efetivamente participar apenas da Expo Ingeniere na Costa Rica em 2016, London International Youth Science Forum – LONDRES e na Eskom Science Fair – África do Sul, sendo premiado nessa última com o terceiro lugar na categoria de engenharia. Em 2018, na escola Estadual Deputado Renato Azeredo, começamos a trabalhar também com olimpíadas. Já fomos finalistas no lançamento de foguetes na Mostra de Foguetes (RJ) e medalhista nas olimpíadas de Astronomia e Aeronáutica, da qual sou coordenador. Também somos medalhistas na Olimpíada de Eficiência Energética. Começamos esse ano um trabalho de iniciação científica. Essas conquistas resultaram em algumas homenagens como no Caldeirão do Huck no quadro “Ao Mestre com Carinho”, em que tive oportunidade de conhecer o CERN (Acelerador de Partículas) situado na Suíça.  Além disso, já recebi convites e homenagem do senador federal da república Cristovam Buarque, homenagens na ALMG pelos deputados Douglas Melo e Beatriz Cerqueira. Já aqui em Sete Lagoas, pelos vereadores Caio Valace e   Rodrigo Braga. Tudo isso, é fruto de muito trabalho e dedicação. 

imagem

Homenagem e prêmio no Caldeirão do Huck, da Rede Globo

Como é sua relação com a cidade, concilia trabalho e a aproveita com seus atrativos?

Minha dedicação ao trabalho consome muito meu tempo. Minha dedicação vai muito além da sala de aula. Já temos um roteiro anual focado nos alunos (feiras científicas, olimpíada) e para o meu desenvolvimento profissional também participo de eventos nacionais e internacionais, com publicação de artigos científicos. Tem um lugar que gosto muito de ir aos fins de semana, pois desenvolvemos muitas ações sociais, é no Templo da Salvação, do Pr. Mestre Apolo. 

Qual lugar que mais gosta na cidade? Por quê?

A Serra de Santa Helena é um atrativo especial. Tem uma visão panorâmica da cidade, um ambiente muito agradável. 

O que você acha que Sete Lagoas mais precisa e por quê?
Pode parecer clichê, mas não é. A educação é fundamental para o desenvolvimento social, é um importante instrumento transformador, permite a renovação da sociedade, assumindo um papel de movimento contínuo de mudanças e reflexão, auxiliando na tomada de decisões importantes a respeito do futuro dos alunos cidadãos.

imagem
Visita ao CERN (Acelerador de Partículas), situado na Suíça

Anuncio #1
Anuncio #2
Anuncio #3