segunda-feira, 15 de julho de 2024

Cavalgada de Conceição do Mato Dentro, maior de Minas Gerais, atrai turistas e enfrenta polêmica com fiscalização

A famosa cavalgada de Conceição do Mato Dentro, considerada a maior de Minas Gerais e a segunda maior do Brasil, atrai cavaleiros e amazonas de todas as idades e de várias partes do país. Em sua 30ª edição, a Cavalgada do Jubileu do Senhor Bom Jesus do Matosinhos teve seu ponto alto no dia 19 de junho, quando comitivas de todas as regiões chegaram para receber a bênção.

Tradicional Cavalgada do Jubileu do Senhor Bom Jesus do Matosinhos. Fotos: PREFEITURA DE CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO/Assessoria

No entanto, o evento deste ano foi marcado por uma intensa fiscalização do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA). O deputado estadual Douglas Melo, um dos grandes apoiadores de cavalgadas, criticou a ação. Ele é o autor do Projeto de Lei 3012/2021, que declara as cavalgadas como patrimônio cultural imaterial do Estado, aprovado na Assembleia Legislativa.

Como vice-presidente da Comissão de Defesa do Consumidor e do Contribuinte, Melo afirmou que os cavaleiros e amazonas foram submetidos a uma fiscalização excessiva. “Quem monta cavalo não maltrata o animal, e cavaleiros e amazonas estão sendo perseguidos”, disse o deputado.

Declaração de Douglas Melo

“Na maior cavalgada do estado de Minas Gerais, houve uma blitz do IMA com uma exigência exagerada sobre cavaleiros e amazonas. Reconhecemos a importância do IMA no controle de doenças, mas seu papel fundamental é conscientizar as pessoas e ajudar os criadores de animais, bem como produtores. As cavalgadas são momentos de lazer para muitas pessoas e famílias. E também uma forma de ganhar o sustento através das cavalgadas: quem vende sela, quem ferra os cavalos”, afirmou Douglas Melo.

Douglas Melo durante reunião na ALMG: críticas ao IMA
Douglas Melo é um apreciador de cavalgadas. Foto: Instagram

Tradição e importância cultural

Realizada desde 1990, dentro das comemorações do Jubileu do Bom Jesus de Matozinhos, que ocorre de 13 a 24 de junho, a cavalgada percorre um trajeto que corta toda a cidade em direção ao Santuário do Bom Jesus. Lá, os participantes, juntamente com seus animais, recebem as bênçãos do Senhor Bom Jesus, mantendo viva uma tradição de fé e cultura.

Projeto pró-cavalgadas

Douglas Melo comentou sobre o projeto de sua autoria que declara as cavalgadas patrimônio cultural imaterial. “Minha intenção enquanto deputado estadual, a partir de agora, é abrir um amplo debate para que os organizadores que trabalham de forma séria e que cuidam dos animais possam ser vistos com outros olhos. Quero mostrar que os animais são bem cuidados e não sofrem nos rodeios. Quero dialogar com veterinários, organizadores e sempre primar pelo bem-estar animal”, disse o parlamentar.

Valorização dos animais e tradição

O parlamentar também destacou que as cavalgadas ocorrem a título de competições esportivas e unem familiares e amigos em torno da paixão pelos animais. “Os animais muitas vezes são nossos melhores amigos, membros de nossas famílias, fazem parte de forma amorosa do nosso dia a dia. Oferecer todo carinho e cuidados a eles é nosso dever e obrigação. O projeto apresentado, além de homenagear todos os amantes da cavalgada, é uma forma de homenagear os animais, presentes na nossa história desde sempre”, afirmou Douglas Melo.

Sobre a fiscalização

Eventos pecuários que possuem concentração de animais, como cavalgadas, exposições, feiras, leilões e torneios, necessitam de autorização prévia para que possam ser realizados. Dessa forma, a entidade promotora deve obrigatoriamente ser registrada no Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), bem como solicitar o alvará de funcionamento junto à prefeitura municipal para cada acontecimento programado.

Outra medida necessária para que a festa aconteça é possuir um médico-veterinário, devidamente registrado no conselho de classe. Esse profissional será o Responsável Técnico (RT), função em que avaliará as condições de saúde dos animais, conferirá exames sanitários e a Guia de Trânsito Animal (GTA), documento expedido pelo IMA que contém informações sobre a origem, destino, finalidade, espécie e vacinação do rebanho.