sábado, 22 de junho de 2024

Projeto que busca preservar imóvel da Escolinha da Cemig será votado em reunião extraordinária

Será realizada nesta quarta-feira, dia 29, às 14h, reunião extraordinária para votação em segundo turno do Projeto de Lei número 9 de 2024. O mesmo altera a Lei Complementar número 209 de 2017 “QUE DISPÕE SOBRE O USO E OCUPAÇÃO DO SOLO” em Sete Lagoas.  

A proposta visa evitar que a Univercemig, também conhecida como “escolinha da Cemig”, seja privatizada e alvo da especulação imobiliária para construção de um parque industrial ou mesmo transformada em área residencial.

Aforam imóvel está inserido na Zona Especial de Projeto 16 – ZEP 16, próxima a Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Santa Helena

De autoria do vereador Caio Valace, presidente da Câmara Municipal, o projeto conta com o apoio e assinaturas dos vereadores Eraldo da Saúde, Gilson Liboreiro, Ismael Soares, Ivan Luiz, Janderson Avelar, João Evangelista Pereira de Sá, José de Deus e Silvia Regina.

Diante das denúncias de deterioração do prédio da UniverCemig, inclusive por uma comitiva da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), lideranças locais estão se unindo para tentar reverter a situação. A campanha, liderada pelo vereador Caio Valace, busca apoio para que o terreno volte a ser patrimônio de Sete Lagoas e evite que possa ser privatizado.

Dentro dessa área, existem construções de edifícios e galpões destinados à promoção do ensino para alunos de cursos profissionalizantes. Em 2024, a Cemig tem a diretiva de desativar a Univercemig e dar outra finalidade ao imóvel. Para Caio Valace, o espaço deve ser destinado para abrigar o Centro Administrativo da Prefeitura Municipal. “Atualmente, a Prefeitura de Sete Lagoas gasta quase R$ 1 milhão de reais somente para manter a sua estrutura administrativa com alugueis, gastos com logística, dentre outras despesas”, afirmou.

Em outra frente, a Câmara Municipal de Sete Lagoas enviou uma indicação ao governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e ao Conselho de Administração da CEMIG, propondo a doação ou cessão do imóvel. A indicação foi assinada pelo vereador Caio Valace, autor da proposta, e pelos vereadores Rodrigo Braga, Gilson Liboreiro, Silvia Regina, Roney do Aproximar, Ivson Gomes, Eraldo da Saúde, Marli de Luquinha, João Evangelista, Ismael Soares e Ivan Luiz.

Paralelo a isso, o vereador Caio Valace também vem mobilizando autoridades e a população para que assine a petição pública (no Google) denominada “A Escolinha da Cemig É Nossa”, para que o terreno volte para o município.

Caio Valace tem buscado apoio de várias entidades, como a ACI; na foto, reunião com Valéria Reis, presidente da entidade