quinta-feira, 13 de junho de 2024

Passeata em Sete Lagoas alerta para luta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes

Ruas da região central de Sete Lagoas foram tomadas por uma verdadeira corrente de conscientização contra o abuso sexual de crianças e adolescentes, na manhã desta sexta-feira, 17 de maio. A passeata promovida pela Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, despertou a atenção para este crime que, infelizmente, ainda é realidade no Brasil. A mobilização faz parte da campanha Maio Laranja e contou com vários parceiros e a animação contagiante da fanfarra da Escola Municipal Francisca Ferreira de Avelar.

O dia nacional de combate a este tipo de abuso é celebrado em 18 de maio e provoca uma forte mobilização em todo país. Um símbolo para alertar que o direito de ser criança e adolescente nunca deve ser violado. “Uma ação muito importante para chamar a atenção da sociedade. Todos devem entrar nesta luta. É inaceitável este tipo de crime que deve ser combatido e banido da sociedade”, comentou o prefeito Duílio de Castro.

A concentração da passeata foi na Praça Tiradentes de onde os participantes partiram para o percurso que passou por importantes ruas do Centro como Monsenhor Messias, Fernando Pinto, Dr. Avelar, Praça da Prefeitura, av. Getúlio Vargas com a chegada no Terminal Urbano do Transporte Coletivo. O desfile recebeu aplausos e apoio por onde passou. “Este é o momento de sensibilizar as pessoas para que todos enxerguem situações que devem ser combatidas. A proteção das crianças e adolescentes é uma missão de todos nós”, avalia Luciene Chaves, secretária municipal de Assistência Social.

Defender os direitos das crianças ou do adolescente é imprescindível para garantir seu desenvolvimento saudável. Quem suspeitar de uma violação desses direitos deve denunciar por um dos vários meios disponíveis. “São várias canais para formalização de denúncia. Temos a ouvidoria nacional pelo Disque 100, a ouvidoria municipal, conselhos tutelares, todas as unidades da Assistência Social, unidades de saúde e ainda as forças de segurança”, explica Delma Aparecida Sales Pereirasuperintendente de Gestão do Sistema Único de Assistência Social.