terça-feira, 18 de junho de 2024

O longo “mistério” que trava as categorias de base do Atlético | por Chico Maia

O sub-20 do Galo foi eliminado na segunda fase da Copa São Paulo por um time chamado Sfera, da capital paulista, fundado por empresários em 2021.

Escalação do time que começou jogando contra o Sfera/SP e perdeu de 1 a 0, gol aos 30 do primeiro tempo. (Foto: @Atletico)

Espera-se que agora, que se tornou uma empresa, o Atlético finalmente dê a devida transparência e ponha gente competente e séria para cuidar do setor. Ali está a galinha dos ovos de ouro de todo clube brasileiro, que precisa formar jogadores, utilizá-los em seu time profissional e fazer dinheiro com eles. Há muitos anos a base do Atlético não revela ninguém.

O último foi o Bernard, que estava prestes a ser dispensado, mas foi emprestado ao Democrata de Sete Lagoas para disputar a terceira divisão mineira e arrebentou lá. Essa história conheço muito bem, pois participei dela do princípio ao fim.

A diretoria do Atlético deveria chamar o pai do Bernard, Délio Duarte, para uma conversa. Cidadão correto, certamente prestará um grande serviço ao futebol e do Galo, contando coisas estarrecedoras sobre o que acontece nas categorias de base, não só do Atlético, mas também da maioria dos grandes clubes. Um rápido e único exemplo: determinados dirigentes da base exigem que o pai de jogadores, de bom potencial, passem procuração para determinados agentes/empresários para que eles cuidem da carreira do jovem, negociando tudo em nome dele. De contratos com os clubes, a fornecedores de material esportivo, publicidade, enfim.

Eu, entre o Bernard e o pai dele, Délio Duarte, numa das últimas vindas do atacante a Belo Horizonte

Óbvio que mediante uma boa comissão sobre tudo, inclusive dos salários do jogador. Quando a família se recusa a aceitar a “sugestão” do dirigente, ele fica fora até do banco de reservas na maioria dos jogos, desaparece, por melhor jogador que seja.

Como a imprensa não cobre a base e a torcida não sabe quem é quem, nem o que acontece por lá, fica por isso mesmo, e muitas carreiras são prejudicadas ou interrompidas. Uma ciranda perversa.

O atleticano Luiz Souza comentou no blog: “Chico,
Termina, com mais uma vergonhosa participação do Galo, a Copinha SP. Entra ano e sai ano e sempre com a mesma promessa de ”ajeitar a base” e que para o ano as coisas serão diferentes, e que blá..blá..blá. Há quantos anos não se revela ninguém!. Será possível que o Galo será apenas comprador de jogador? Qual foi a última revelação? Desse jeito não faz sentindo manter essa estrutura caríssima. É preferível alugar um time que tenha expertise em revelar jovens atletas e, na época da copinha vestir a camisa do Galo. Time de atletas de empresários e joga quem tem poder de ser indicado. Que time horroroso, crendospai! Preferível encerrar a base. É o fim da chance de quem deveria estar jogando. Depois não reclamem”