domingo, 23 de junho de 2024

Mussum – O filmis estreia nesta quinta-feira

A cinebiografia conta a história de um dos maiores humoristas do Brasil

Foto: Divulgação/Globo FIlmes

Estreia, nesta quinta-feira, a cinebiografia “Mussum – O filmes” do diretor estreante Silvio Guindane. O filme foi vencedor do Festival de Gramado com seis kikitos e conta com Ailton Graça como personagem-título.

Inspirado no livro “Mussum – uma história de Humor e Samba”, de Juliano Barreto, o roteiro é dividido em três etapas. A primeira mostra a infância pobre de Antônio Carlos Bernardes Gomes, quando ainda era Carlinhos (vivido por Thawan Lucas Bandeira) e vivia com sua mãe, Dona Malvina (Cacau Protásio), que desaprovava sua vontade de ser jogador de futebol. Quando criança, Carlinhos já mostrava aptidão para a música.

A segunda parte mostra Carlinhos (interpretado por Yuri Marçal) já adulto e seguindo carreira na Aeronáutica ao mesmo tempo em que começava a tocar na noite com o grupo Os Originais do Samba, escondido dos familiares. É nessa época que ele conhece sua primeira esposa, Nely (Jeniffer Dias) e começa a construir sua própria família.

Na terceira fase, Carlinhos (Ailton Graça) ganha destaque com suas participações na TV. É em uma dessas atuações que ele conhece Grande Otelo (Nando Cunha) que acaba lhe dando o apelido que o tornaria conhecido no Brasil inteiro: Mussum. O filme mostra também como ele chamou a atenção de outros humoristas, como Chico Anysio (Vanderlei Bernardino), que o convida para participar da “Escolinha do Professor Raimundo”, na década de 1970. Mais tarde, Renato Aragão (Gero Camilo) o contrata para fazer parte dos Trapalhões, que ainda incluiria Dedé Santana (Felipe Rocha) e Mauro Gonçalves (Gustavo Nader).

Com o programa humorístico, a carreira de Mussum decola de vez e ele fica mais envolvido com a TV e o cinema, mesmo querendo manter a parceria com os Originais do Samba. O filme mostra como, isso o leva a ter conflitos com várias pessoas, incluindo um dos integrantes do grupo, Bigode (Angelo Fernandes/Édio Nunes). O sucesso o leva ainda a se aproximar mais da sua escola de samba do coração, a Mangueira.

Fonte: G1