quinta-feira, 13 de junho de 2024

Moradora denuncia situação de imóveis desapropriados no bairro Santa Luzia em Sete Lagoas

Imóveis têm se tornado um cenário de filme de terror com entulhos, lixos e construções depredadas

Uma moradora do bairro Santa Luzia em Sete Lagoas procurou o 7DiasNews para denunciar o estado de alguns imóveis na Rua Mestre Ananias que foram desapropriados pelo Estado para ampliação do Fórum. Conforme mostra o vídeo, os imóveis estão depredados, com portas e janelas arrancadas, com bastante entulho e lixo, gerando insegurança para os vizinhos e também criadouros de mosquitos transmissores de doenças devido às chuvas.

“Tem muito mais de dois anos que está essa situação, o Estado não resolve nada, a Prefeitura mandou limpar duas vezes depois que a gente reclamou muito, mandou limpar só a rua e a calçada porque segundo eles não pode entrar nas casas porque é propriedade do Estado, só que nós estamos todos expostos à dengue, já morreu vizinho aqui com dengue o ano passado, outra vizinha machucou o pé porque o lixo estava vindo até para a rua, ela estava andando na rua, machucou o pé, rompeu o tendão, depois outra pessoa. Tem problema com bandido porque fica morando bandido aí, fica aproveitando da situação e assaltam o pessoal de manhã e de noite, tem problema ambiental, tem problema de saúde, a gente precisa de apoio”, relata a moradora que gravou o vídeo.

O 7DiasNews procurou a Prefeitura que confirmou que os imóveis são responsabilidade do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), especificamente do foro de Sete Lagoas. “As casas foram desapropriadas pelo Estado a pedido do Tribunal de Justiça para a expansão do Foro, que fica na rua de trás, José Duarte de Paiva, mas a extensão dele agora vai até lá na Mestre Ananias. O que cabia à prefeitura inicialmente, como colaboração, foi tirar os entulhos, que no início da demolição, os próprios moradores, eles jogaram um tanto de entulho na rua. Então, estava até no meio da rua, não era nem só o passeio. A Prefeitura foi lá e a Secretaria de Obras mandou máquina, mandou caminhão, tirou os entulhos da calçada e da rua em outubro do ano passado. Outra coisa que cabia à Prefeitura era emitir o Alvará de autorização de demolição das casas para literalmente limpar a área. Esse alvará foi emitido no dia 5 de outubro do ano passado com validade de 8 meses e o Tribunal de Justiça não tomou essa iniciativa de demolição”, explicou a Prefeitura.

Assim que conseguirmos contato com o TJMG vamos trazer o posicionamento do órgão.

Confira o vídeo gravado pela moradora nesta semana:

Por Ana Amélia Maciel