segunda-feira, 15 de julho de 2024

Como aproveitar a água da chuva? Engenheira civil e professora Sheila Leal ensina

De um simples balde aos sistemas mais complexos de captação, a professora explica como é possível utilizar a água pluvial para tarefas básicas nas residências

O verão começa no Brasil nesta sexta-feira (22) e, com ele, vem a temporada de chuvas. Ainda que pouco difundido no país, o aproveitamento da água da chuva é costume sustentável possível a qualquer pessoa. Basta seguir algumas técnicas e dicas que a professora do curso de Engenharia Civil da Faculdade Una Sete Lagoas, Sheila Leal, oferece a seguir.

A professora Sheila Leal

Mas se a maioria das pessoas – ao menos em áreas urbanas – têm água disponível na torneira, para que serve a água captada das chuvas numa residência? “Esta água pode ser utilizada para fins não-potáveis como irrigação de plantas, limpeza, descarga de vasos sanitários, uso em sistemas de ar condicionado”, inicia a professora. Neste último caso, a água pluvial pode ser usada em sistemas mais avançados para resfriamento. E, aqui, vale o alerta: jamais use esta água para beber.

O ideal é utilizar as técnicas na fase de construção dos imóveis. Porém, ainda que você viva em um local já construído há tempos, é possível fazer adaptações para essa coleta que a as intempéries de verão nos trazem. E o que é melhor: sem gastar muito.

“A captação pode ser feita através da instalação de calhas no telhado, direcionando a água para recipientes simples, como tambores ou barris. Use um filtro de tela para reter detritos. Conecte uma torneira ao reservatório para facilitar o acesso à água. Isso é uma maneira econômica e eficiente de aproveitar a água da chuva após a construção da casa”, inicia a professora da Una, Faculdade que integra o Ecossistema Ânima.

Água parada

Não basta captar. Tem que tratar. “A água da chuva pode conter impurezas que, se não tratadas, podem levar à formação de lodo no reservatório. Por isso, recomenda-se a implementação de um sistema de filtragem eficaz. Além disso, a aplicação de desinfetantes populares, como cloro, ajuda a prevenir o crescimento de microrganismos”, diz a professora.

O tratamento, acrescenta, deve ser adaptado de acordo com o uso pretendido da água, e é crucial considerar as normas locais para garantir a conformidade e a segurança do sistema.

Entre as técnicas que poderão ser adotadas para este manejo simplificado, a professora da Una Sete Lagoas enumera algumas possibilidades. “Faça o uso de baldes ou recipientes sob as calhas nos dias de chuva para coletar a água”, propõe. Esta é a solução mais simples. Porém, faça o uso imediato desta água em uma limpeza interna da residência, por exemplo.

Outra opção é instalar cisternas portáteis ou barris de armazenamento na área externa da moradia, que serão conectados aos condutores de calhas. Há ainda a possibilidade e planejar a paisagem ao redor da casa para incluir elementos que promovam a drenagem natural da água da chuva para áreas específicas, como canteiros ou jardins.

Sheila Leal ensina que estas práticas, além de “serem acessíveis financeiramente, contribuem para a redução do consumo de água potável, promovendo um estilo de vida mais sustentável”. Lembre-se de que é importante estar ciente das regulamentações locais e garantir que as práticas adotadas estejam em conformidade com as normas da localidade.

E para quem vive em apartamento?

Para esses moradores, a professora Sheila indica a instalação de calhas leves ao longo das bordas da sacada para coletar a água da chuva. “Utilize conectores para direcionar a água para recipientes de armazenamento, como tambores ou caixas d’água compactas. Integre um sistema de filtro de malha para remover impurezas. A água coletada pode ser acessada por meio de uma torneira adaptada, sendo ideal para regar plantas na sacada ou para tarefas de limpeza não-potável”, aconselha.

Para a professora da Una, esta metodologia oferece uma “solução técnica e viável para o aproveitamento da água da chuva em espaços limitados”. Entretanto, ela alerta que é fundamental ao morador consultar e seguir as normas e regulamentos do condomínio, para assegurar a conformidade e a integração harmoniosa do sistema. Afinal, com estas dicas, buscam-se soluções e não mais problemas.

Vou construir e quero captar

Para quem está construindo ou vai comprar um apartamento na planta, também há dicas da professora para implementar um sistema eficiente de captação de água da chuva.

“Instale calhas no telhado para coletar a água da chuva, direcione-as para um filtro para remover detritos e armazene em um reservatório. Use um sistema de bombeamento para distribuir a água para usos não potáveis, como irrigação”, indica. Para tanto, também é importante pesquisar sobre as regulamentações municipais ao implementar o sistema.

Entre as dicas para este público, Sheila Leal propõe:

. Faça levantamento da estrutura do edifício: consulte o condomínio para obter permissão.

. Avalie da área de captação: varandas, terraços e demais áreas com acesso ao telhado.

. Escolha dos dispositivos de captação: podem ser calhas e condutores que direcionem a água da chuva até os coletores.

. Instale filtros: é ideal coloca-los na entrada do sistema para evitar a entrada de sujeira e detritos.

. Escolha os reservatórios: podem ser tanques subterrâneos, cisternas ou outros recipientes. Certifique-se de que esses reservatórios são vedados para evitar a proliferação de mosquitos e outros problemas de higiene.

. Bomba de recalque: serve para redistribuir a água armazenada para os pontos desejados, como vasos sanitários, jardins ou sistemas de irrigação.

. Conexão com o sistema hidráulico do edifício: neste caso é fundamental contar com a orientação de profissionais especializados e seguir as normas locais de segurança.