segunda-feira, 15 de julho de 2024

Cheguei com minha bagagem

Priscila Horta
Priscila Horta

por Priscila Horta

Meu nome é Priscila Horta, nasci no dia 12 de dezembro de 1984, sou filha da Cleidinha e do saudoso Ricardo Horta. Entusiasmada, aprofundada em si mesma e dedicada, venho dividir com vocês a coluna mulher+ do setediasnews. Nossas angústias, alegrias e conquistas estarão aqui semanalmente. Vamos fazer desse espaço, um lugar de conexão, da minha mente inquieta pra sua.
Agora, indo direto ao assunto…

Com licença poética

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou tão feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
— dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável.
Adélia Prado
(Bagagem. São Paulo: Siciliano. 1993. Pág. 11
)

Atleticana, em junho de 2017, O Clube Atlético Mineiro, por meio do seu Conselho Deliberativo,  homenageou Adélia Prado com o Galo de Prata, comenda maior do clube.
Atleticana, em junho de 2017, O Clube Atlético Mineiro, por meio do seu Conselho Deliberativo, homenageou Adélia Prado com o Galo de Prata, comenda maior do clube

Adélia Luzia Prado de Freitas é uma poetisa, professora, filósofa, romancista e contista, ligada ao Modernismo. Considerada a maior poetisa viva do Brasil, e uma das maiores de todos os tempos. Em seu primeiro e principal livro, Bagagem, está o poema que escolhi.

O livro foi publicado em 1975 e teve como padrinho ninguém mais ninguém menos que o itabirano Carlos Drummond de Andrade.

Impressionado pela originalidade da autora, o cronista enviou uma série de poemas para e Editora Imago naquele mesmo ano.

Formada em magistério, passou a dedicar-se exclusivamente aos seus romances após vinte e quatro anos de profissão.

Sucesso de crítica, para a literatura brasileira, Adélia representa a força feminina na escrita, em casa, educando os filhos e na dedicação ao seu marido.

Adélia é mineira de Divinópolis, sagitariana como eu e sua perspectiva feminina está sempre presente em seus versos.

O cotidiano, o comportamento, as dores e as delícias de ser mulher, são temas de suas obras, assim como estarão aqui a partir de hoje.

Sim, Adélia Prado trabalha aqui.