segunda-feira, 15 de julho de 2024

Sushiman de Sete Lagoas faz sucesso no principado de Andorra

Conheça a trajetória do chef Anderson Lacerda, que iniciou no mundo gastronômico para complementar a renda, mas hoje é uma das referências em Sete Lagoas quando o assunto é culinária oriental

O chef Anderson Lacerda, especialista da gastronomia oriental

Anderson Carlos Lacerda, natural de Belo Horizonte, tem 43 anos. Sete-lagoano de coração, ele foi convidado para exibir e produzir toda sua arte na gastronomia oriental no principado de Andorra, que fica entre a França e Espanha – no restaurante Àrtic. Shushiman renomado, leva o toque mineiros para as terras europeias. Conheça o profissional:

Como foi sua infância e juventude?

Passei a infância e adolescência, dos 6 aos 15 anos, em Curitiba (PR) com o meu pai. E a partir dos 15 me mudei para Sete Lagoas com a minha mãe e, por isso, já me considero sete-lagoano de coração.  Estudei nós colégios Alípio de Melo, Renato Azeredo, Cândido Azeredo e por fim um curso técnico em 2001 de Enfermagem no antigo Colégio Minas Gerais, no bairro Boa Vista.

Quando começou a trabalhar e por onde passou?

Meu primeiro emprego na cidade foi no comércio na extinta loja Armarinhos e Roupas Infantis Monsenhor Messias, na rua de mesmo. Depois trabalhei como Office Boy no escritório Marcos Martins e na antiga Drogaria Fonseca e Drogaria Lobato. Passei brevemente pela indústria, na Iveco, e por fim foram mais de 6 anos no jornal Sete Dias, onde cresci muito profissionalmente e me encaminhei para a cozinha oriental.

Como a gastronomia surgiu na sua vida?

Em 2011 comecei como garçom à noite no antigo restaurante Japinha. Devido a minha paixão por motocicletas, precisava de uma segunda fonte de renda para comprar o meu sonho da época. Desde então estou na profissão que me identifiquei e me tornei profissional da cozinha oriental e atualmente vivo unicamente desta profissão.

E como surgiu a oportunidade de trabalhar em outro país?

A oportunidade de vir a Andorra veio através de um amigo com quem trabalhei há anos atrás e que se tornou também uma amizade profissional. Ele foi chamado pelo LinkedIn e precisava formar uma equipe para implantar o serviço de sushiman na alta gastronomia europeia, em um restaurante. Ele confiou no meu profissionalismo e nos juntamos com um toque abrasileirado em Andorra, que está se tornando um novo sucesso.

Anderson Lacerda manda um abraço para a equipe do 7diasnews.com.br

Como é Andorra?

Esse pequeno país (principado) fica entre a França e a Espanha, onde a língua oficial é o Catalão – um misto de francês espanhol e português. O atrativo principal do principiado é a neve, culinária diversificada e turismo de compras. O clima na maior parte do tempo é frio, dificilmente passa dos 10 graus durante o dia e normalmente as temperaturas são negativas a noite.

Como está a adaptação e o seu dia a dia?

É uma adaptação difícil para quem viveu em Sete Lagoas. A segurança é o ponto alto, é bem comum pessoas caminhando a qualquer hora da noite sem preocupação.

Morar fora se torna agradável devido a qualidade excelente de vida, mesmo com a renda mínima do país.  Porém, a nossa casa e terra natal sempre será melhor, a distância da família e amigos próximos – o contato – faz muita falta. No dia a dia isso é de um peso gigante, a comida mineira faz uma falta incrível também.

Quais são os planos para 2024?

Para 2024 a ideia é aperfeiçoar a culinária e idiomas para abrir mais portas por aqui e num futuro descansar e levar o aprendizado para Sete Lagoas. A culinária brasileira tem muito espaço e capacidade para crescer, além de oferecer boas remunerações para quem tiver coragem de abrir mão do conforto de casa e experimentar um novo começo.