terça-feira, 25 de junho de 2024

Orquestra Jovem de Sete Lagoas recebe novos instrumentos da FUNARTE

Imagem: divulgação

A Orquestra Jovem de Sete Lagoas recebeu recentemente o primeiro lote de novos instrumentos, financiados pelo edital do Programa de Apoio a Ações Continuadas 2023 – Grupos e Coletivos Artísticos, da Fundação Nacional de Artes (FUNARTE). Com um investimento de R$ 70 mil, foram adquiridos 47 instrumentos, incluindo violinos, violoncelos e contrabaixos, visando ampliar o atendimento do projeto.

Os novos instrumentos incluem modelos de tamanhos ¾ e ½, especialmente indicados para crianças entre 7 e 12 anos. “Havia uma demanda por instrumentos menores, como o contrabaixo acústico de tamanho ½, que agora podemos atender adequadamente”, afirmou o Maestro da Orquestra Jovem, Ivison Maximo Barbosa. Dos 47 novos instrumentos, 36 são desses tamanhos específicos, permitindo um melhor atendimento às crianças menores.

Além desta primeira aquisição, uma segunda compra está prevista, no valor de R$ 30 mil, que será realizada assim que a FUNARTE liberar a próxima parcela do financiamento. Marcos Aurélio dos Santos, presidente da Associação Cultural de Orquestras – ORQUESTR’ARTE, coordenadora do projeto, destacou que a aquisição dos instrumentos foi feita com uma empresa local, fortalecendo o comércio de Sete Lagoas.

O programa Funarte de Apoio a Ações Continuadas 2023 distribuiu R$ 10 milhões para projetos em artes visuais, circo, dança, música, teatro e artes integradas em todo o Brasil. Entre os 38 selecionados, a Orquestra Jovem de Sete Lagoas recebeu a nota máxima, ficando em segundo lugar na região sudeste. “Este reconhecimento reforça a importância do nosso projeto para a cultura e formação das 200 crianças e adolescentes que participam das nossas oficinas”, observou Marcos Avellar, gestor do projeto.

O apoio da FUNARTE a grupos musicais, orquestras, companhias teatrais e de dança, entre outros, visa fomentar a cena artística brasileira em suas diversas vertentes e territórios. “Programas que incentivam ações permanentes são fundamentais para a vida cultural, desde pequenas cidades do interior até as capitais. Estamos honrados com a seleção e o destaque recebido”, concluiu Marcos Aurélio.