segunda-feira, 22 de julho de 2024

O desinteresse crescente pela seleção se fez mostrar na primeira convocação do Dorival | por Chico Maia

Seleção Brasileira: mais do mesmo na primeira convocação do Dorival

Foto: Staff Images/CBF

Não tenho a ilusão de que, algum dia, apareça um treinador que faça diferente: peite o sistema e convoque a maioria dos jogadores que atuem no Brasil. Dorival é um grande ser humano, ótimo treinador, mas não este perfil. Fernando Diniz, o querido dos intelectuais da imprensa verde e amarela, nem tentou e muita gente pensou que ele fosse “o cara” pra fazer isso.

Nessa toadda, o desinteresse crescente pela seleção brasileira, de grande parte de quem gosta de futebol, se fez mostrar nessa primeira convocação do Dorival, ontem.
Em outros tempos, coletiva de convocação era um acontecimento nacional. Com a ida dos nossos melhores jogadores cada vez mais cedo para o futebol europeu, a “Canarinho” foi perdendo a graça, aliada à falta da conquista de uma Copa desde 2002.


Dos 26 convocados, 20 do exterior, seis que jogam no Brasil.
Ao contrário da maioria da imprensa nacional, que aplaudiu a lista, entendo que se trata de “mais do mesmo”. A maioria dos convocados deveria atuar no Brasil. De fora, só os muito acima da média.
Ricos e realizados profissionalmente, a maioria usa a seleção para melhorar seus contratos de publicidade. Ganhar ou perder, pouco importa. Sem falar na dificuldade para reunir essa turma espalhada mundo afora e treinar.

Mas, se a banda toca é desse jeito, vida que segue. E neste contexto, gostei da avaliação do amigo jornalista Fernando Rocha, na coluna dele no Diário do Aço, de Ipatinga:

“Mandou bem”
Dorival Jr, o novo técnico da seleção brasileira, fez sua primeira convocação visando os amistosos contra Inglaterra e Espanha (23 e 26 de março, respectivamente).
De um modo geral sua primeira convocação agradou e teve boa repercussão junto à crônica, sobretudo no eixo Rio/SP, até porque o grande problema do futebol brasileiro não é falta de bons jogadores.

Não há dúvida que a renovação pregada por ele é mais do que necessária e na sua lista está representada por cinco nomes: o goleiro Rafael, os zagueiros Beraldo e Murilo, volante Pablo Maia, o atacante “cria do Galo” Savinho.


Serão dois desafios dificílimos, principalmente devido ao descrédito da Seleção, que em 2023 só ganhou da Guiné, Bolívia e Peru, além de sofrermos três derrotas consecutivas na fraquíssima Eliminatórias sul-americanas, onde estamos em 6º lugar, atrás da Venezuela.

A simpatia pessoal do Dorival Junior ajuda amenizar as críticas dos jornalistas. À esquerda, o diretor Rodrigo Caetano. Foto: Staff Images/CBF
Imagem: CBF